Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate

Portuguese English Spanish

Opções de acessibilidade

Início do conteúdo da página

A Forja 62

Acessos: 1020

MILITARES DO C I BLD PARTICIPAM DE CAPACITAÇÃO TÉCNICA DA TORRE UT-30 BR
Sgt Panichi – CI Bld

             Militares do C I Bld participaram no mês de maio da capacitação técnica do Sistema de Armas Remotamente Controlado UT-30 BR, material que deve equipar as VBTP – MR 6x6 Guarani. A capacitação foi realizada no Centro de Avaliações do Exército (CAEx) e foi ministrada pelo fabricante do material, a empresa israelense Elbyt Systems Ltda, dentre os participantes estavam militares do C I Bld, do CAEx e da 15ª Bda Inf Mec.
Figura 1: ATK BushMaster MK44 equipado com BoreSight

             As atividades da capacitação transcorreram durante duas semanas e foram divididas em: Curso de Operação e Curso de Atirador Avançado.
             No Curso de Operação foram ministradas, na primeira semana, instruções teóricas e práticas sobre o equipamento, telas de combate e dados, colimação, funcionamento, desmontagem do alimentador e conjunto culatra corrente do canhão 30 mm, procedimentos para sincronismo do alimentador e conjunto culatra corrente e procedimentos de manutenção.
             Já na segunda semana, foram realizados exercícios de tiro, sendo feitos os procedimentos de colimação e tiro propriamente dito com a metralhadora 7,62 mm e com o canhão 30 mm, em alvo parado e com a viatura parada a uma distância de 1000 m, e intercalando com munições HE e TP-T.
Figura 2: Posto do Comandante de carro

             Foi demonstrado pelos instrutores o lançamento de granada fumígena pela torre. A manutenção após o tiro foi praticada pelos alunos e, no último dia da capacitação, os instruendos realizaram uma prova prática para ratificar os conhecimentos.
             O Curso de Atirador Avançado foi realizado em cinco dias e contou com instruções teóricas e práticas sobre colimação, correção em zero, uso do retículo e regras laser.
             A prática da colimação e execução de tiro de correção em zero foram intensificadas no 3º e 4º dias de curso, realizando exercícios com VBTP parada e alvo parado (1000m alvo do canhão e 400m alvo da Mtr) e com a VBTP em movimento lateral e alvo parado (1000 m)
             No 5º dia foi realizada prova sobre o procedimento de correção em zero, manutenção do sistema e um contato com o boresight adquirido pelo EB.
Para o ano de 2017, já está previsto o recebimento pelo CI Bld de uma VBTP Guarani equipada com a torre UT-30 BR, o que possibilitará a inclusão dos assuntos ministrados na capacitação nos próximos cursos de operação da VBTP – MR 6x6 Guarani realizados no Centro.

 

ISRAEL DESENVOLVE NOVA PLATAFORMA DE RODAS MULTI - MISSÃO
Sgt José Lino -CI Bld

             Israel apresentou o seu protótipo nacional de VBTP de rodas 8x8 EITAN. O veículo apresentado tem por missão, substituir a enorme quantidade de VBTP M113 que ainda são utilizadas para transportar as tropas israelenses.
Figura 3: VBTP 8x8 EITAN

             A VBTP 8x8 EITAN, do hebraico “firme” ou “inabalável”, possui menos de 35 toneladas, pesa e custa cerca de metade das VBCFuz NAMER, que são baseados no chassi do MERKAVA 4. O veículo foi projetado para transportar 12 fuzileiros e promete ser a plataforma de rodas multi-missão mais avançada do mundo.
             A viatura será equipada com o sistema de proteção ativa Trophy (APS), uma torre não tripulada de 30 ou 40 mm com condições de atiraruma ampla gama de munições e vários sensores que irão potencializar a consciência situacional nas operações.
Figura 4: VBTP 8x8 EITAN visão de retaguarda

             Apesar da VBTP não ter todas as capacidades da VBCFuz NAMER, o EITAN terá um custo que permitirá equipar uma grande parte das forças israelenses. Inicialmente o projeto nasceu das lições aprendidas nas Operações em Gaza em 2014.
             A primeira plataforma de rodas fabricada por Israel possui um motor com 750 hp e é capaz de se deslocar a mais de 90 km/h em estradas, permitindo uma rápida mobilidade estratégica, capacidade que com certeza as forças de defesa de Israel consideram extremamente relevante.
             O protótipo agora começará os testes operacionais em terrenos diversos e condições variadas, e a previsão de entrada em serviço é para daqui a cinco anos.


Figura 6: VBTP 8x8 EITAN em teste operacional


Argentina avança na modernização da VBCCC TAM
Sgt Pinheiro – CI Bld

             Após o início do projeto de modernização, pelo Exército Argentino, de sua VBCCC TAM (Tanque Argentino Mediano) que apresentava sinais de obsolescência na eletrônica embarcada e nos sistemas de combate, que se encontravam da mesma maneira que haviam sido entregues desde o final da década de 70, a Argentina avança em mais uma etapa da repotencialização da plataforma.
             A versão modernizada, denominada TAM 2C, conta com sistemas de combate similares aos queequipam as VBCCC Merkava III e IV, sistema de proteção passiva, como alerta laser e radar, novos sistemas de visão noturna, comunicações de última geração e unidade de potência auxiliar de fabricação nacional, porém a VBCCC carecia de uma proteção balística eficiente, o que fez com que entre os anos de 2015 e 2016, as empresas IMI (Israel Military Industries) e Elbit Systems produzissem um kit de proteção balístico, presumivelmente da família “Iron Wall”, para ser incorporado na plataforma TAM. O kit, do tipo modular pode ser incorporado nos veículos tanto TAM como TAM 2C sem alterações significativas no chassi.
             O protótipo, denominado TAM 2 IP, já se encontra em condições de realizar a avaliação pelo Exército Argentino, que irá verificar o impacto do peso adicional na suspensão e na transmissão do veículo. O Exército espera que o veículo, sendo aprovado, garanta uma sobrevida de mais 20 anos de operação para a plataforma TAM, em nível proporcional ou superior a média regional.
             O Iron Wall é uma blindagem adicional formada por uma estrutura híbrida composta por metais e outros componentes. É utilizado como complemento e pesa entre 200 - 230 kg/m² proporcionando uma adição de 110 a 150 mm de proteção para o chassi. Para a parte frontal, o Iron Wall agrega 450 kg/ m² e aumenta a proteção para 350-400 mm.


M109 A5 + BR Mudanças da nova plataforma
Cap Ebling – CI Bld

             Com a aquisição da moderna VBCOAP M109 A5 + BR, a artilharia brasileira avança no que diz respeito em poder de fogo e velocidade no apoio de fogo. Essas viaturas irão equipar as unidades de Artilharia autopropulsadas que prestam apoio às brigadas blindadas. Foram incorporadas tecnologias visando a potencialização das suas capacidades, através de uma modernização realizada pela empresa BAE Systems. A viatura contará com travamento automático do tubo, medidor de V0, navegação inercial, GPS, sistema eletrônico de pontaria e computador de tiro.
             Essa tecnologia agregada acarretará em um aumento significativo da precisão, bem como maior rapidez para entrada em posição e execução do primeiro tiro.O alcance do armamento principal é uma das características que mais impressionam no A5 + . Em virtude do tubo M284, o obuseiro tem um alcance máximo de 23,5 km, podendo chegar até a 30 km com munição assistida, uma diferença significativa em relação ao M109 A3, que mesmo com munição assistida alcançava em torno de 23,5/24 km.
             O termo “munição assistida” é utilizado para designar cartuchos de artilharia que utilizam, em sua parte posterior, a colocação de uma seção adicional, a qual queima durante o trajeto da munição até o alvo. Os gases da queima diminuem a força de arrasto pois diminuem a diferença entre as pressões das partes anterior e posterior do projetil. Tal efeito aumenta o alcance e melhora a precisão do tiro.

Figura 8: Principais mudanças do M109 A5 + BR
registrado em:
Fim do conteúdo da página