Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate

Portuguese English Spanish

Opções de acessibilidade

Início do conteúdo da página

A Forja 66

Acessos: 624
MODERNIZAÇÃO DAS VBCCC LEOPARD 2 DO EXÉRCITO ALEMÃO E CANHÃO 130 mm
1º Ten NASCIMENTO – CI Bld

             A edição de dezembro de 2016 da revista IHS Jane's International Defence Review publicou a matéria “More bang for Bundeswehr behemoths”, em tradução livre, “Mais poder para os gigantes da Bundeswehr” (Forças Armadas Alemãs), que trata da modernização de 104 Leopard 2 para a versão A7V. Esta nomenclatura é devida, oficialmente, à inclusão da palavra Verbessert, “melhorado” em alemão, à designação do Leopard 2 A7. Extraoficialmente, especula-se que também remonte ao primeiro blindado fabricado pela Alemanha, em 1917, o A7V.
Figura 1:Leopard 2 A7

            Estão previstas para a modernização 20 VBCCC Leopard 2 A7, 16 Leopard 2 A6 e 68 Leopard 2 A4 em serviço na Alemanha e nos Países Baixos. Após esse processo, as Forças Armadas Alemãs ainda utilizarão 155 Leopard 2 na versão A6 e outros 50 na versão A6M, que aguardarão novos contratos de modernização. As VBC que ainda estão nas versões A6 e A4, maior parte da frota a ser modernizada, receberão as seguintes melhorias, a fim de passarem à versão A7:
- Sistema de climatização;
- Unidade de energia auxiliar Steyr M12, de 17 KW;
- Sistema digital de intercomunicação Thales SOTAS;
- Gerenciador do Campo de Batalha IFIS;
- Equipamento de visão termal da Airbus ATTICA para o atirador e comandante;
- Sistema de camuflagem móvel Barracuda, da SAAB;
- Kit de proteção contra minas; e
- Módulo de programação da munição multipropósito DM11 na culatra.
Figura 2: Leopard 2 A5
            Todas as 104 VBCCC, nessa primeira modernização, receberão um novo sistema de armamento principal, com uma versão repotencializada do canhão L55, já em uso desde a versão A6, e com freios de recuo K900.
                                                                                             
Figura 3: Leopard 2 A6

            O novo canhão de 120 mm de alma lisa, modelo L55A1, que dotará os Leopard 2 A7V, está sendo desenvolvido para suportar maior pressão interna do que o seu antecessor L55, sem perdas para a vida útil do tubo, que deve ser de 1500 disparos, conforme requisitado pela Bundeswehr. A compatibilidade de munições entre as versões será total. Juntamente com os 104 futuros Leopard 2 A7V da Alemanha, 128 Leopard 2 A4 (que possuem canhões L44), do Exército Polonês, receberão os K900. Essa alteração visa ao aumento das chances de sobrevivência da guarnição da VBCCC caso essa venha a ser atingida em combate, minimizando os riscos de incêndio no interior da torre. Isso se deve à não utilização de óleo hidráulico no funcionamento dos K900, cujo mecanismo foi desenvolvido para trabalhar com uma solução de água e glicol. O projeto conta, ainda, com a substituição do sistema eletro-hidráulico de controle e estabilização da torre por um sistema totalmente elétrico.

Figura 4: Projeto do canhão de 130 mm

           O artigo da IHS Jane's traz, ainda, informações sobre o projeto de desenvolvimento de um canhão de alma lisa 130 mm, da Rheinmetall. O projeto parte da premissa que o futuro do carro de combate demandará armamento de maior potência do que os canhões 120 mm de alma lisa. Três “canhões de demonstração” no calibre 130mm já se encontram prontos, mas são encarados pela própria empresa como meros protótipos, cujo objetivo é avaliar as diferenças no desempenho entre os calibres 130 mm e 120 mm, quando empregados contra um novo rol de alvos, projetados como as ameaças a serem enfrentadas pelas VBC do futuro.
          O desenvolvimento do canhão 130 mm não tem sido focado, até o momento, em compatibilizá-lo com a torre das VBC em uso atualmente no mundo. Porém, algumas variantes do armamento, compatíveis com a torre do Leopard 2, podem ser desenvolvidas mediante proposta da Bundeswehr, como sugerido pela Rheinmetall. Presume-se que essa versão possa ser apenas 200kg mais pesada que o atual L55.
            O canhão 130 mm possui um tubo de 51 calibres (6.630 mm de comprimento) e 1.400 kg. Com uma câmara de aproximadamente 15 litros (5 litros maior do que a do L55), seu comprimento total é de 7.160 mm, incluída a sua culatra multi-ranhurada de alta pressão. Culatras multi-ranhuradas podem ser consideradas como uma inovação promissora, considerando-se que as Forças Armadas dos EUA também possuem um canhão com este tipo de culatra como forte candidato à modernização dos M1A2 Abrams, o XM360E1.
Figura 5:Projeto do canhão de 130 mm.
           
           No tocante à munição, a situação torna-se um tanto mais complicada, visto que o projeto prevê a fabricação de munições encartuchadas indivisíveis, como a maioria das munições 105mm e 120mm para VBCC em uso atualmente. Dessa forma, estima-se que uma munição para o canhão 130mm terá 1,3m e pesará 30kg, o que exigirá um sistema de carregamento automático do canhão.
            Um representante da Rheinmetall, no entanto, ressaltou que munições divididas em duas partes poderão ser desenvolvidas a fim de adaptar-se ao sistema de manejo e empaiolamento da viatura em que o canhão venha a ser instalado, como já acontece com as munições da VBCCC Challenger 2, em uso pelo Reino Unido.
 

VEÍCULOS BLINDADOS BOXER PARA A LITUÂNIA

1º Sgt AGUIAR - CI Bld
    
           
            O Ministério da Defesa Nacional da República da Lituânia anunciou planos para assinar um contrato para a aquisição de Veículos de Combate de Infantaria Boxer, que serão destinados às Forças Armadas daquele país. Além da versão veículo de combate de infantaria, o Boxer está disponível em outras versões como por exemplo Posto de Comando, Ambulância, Logística e Engenharia. O veículo está atualmente em serviço nos Exércitos da Lituânia e da Alemanha, e no Exército Real Holandês.
            Até agora, as três nações usuárias encomendaram cerca de 700 veículos, incluindo o último contrato lituano. A Artec, uma joint venture entre a Krauss-Maffei Wegmann (KMW) e a Rheinmetall, foi contratada para fornecer 88 veículos blindados de combate Boxer à Lituânia. Os blindados estarão equipados com armas de médio calibre e um sistema de armas remotamente controlada LANCE, de 30 mm. A versão Veículo de Combate de Infantaria pode transportar até 8 soldados, além do motorista. A produção desses veículos está com início previsto ainda para o ano de 2017. O design modular do blindado Boxer permite uma variedade de modelos específicos para cada tipo de missão. A capacidade de mudar rapidamente o módulo conforme a missão, mesmo entre versões diferentes, permite novas abordagens nas áreas de implantação operacional e suporte logístico, reduzindo custos de desenvolvimento e produção, além de aumentar a flexibilidade tática do veículo.
                          
Figura 1: Boxer com torre LANCE    

            O Boxer possui proteção contra minas e artefatos explosivos improvisados (IED), blindagem espaçada e inclinada em combinação com elementos de proteção adicionais. Proporciona espaço de armazenamento para todo o equipamento pessoal e equipamento de missão completo, possui alta mobilidade, e conta com modernos dispositivos de vigilância de visão noturna e diurna, estação de armas remotamente controlada, lançador de granadas e um sistema de proteção para Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear (DQBRN), aém de ar condicionado para a guarnição.
            Um canhão automático estabilizado MK30-2 ABM (cal. 30 mm x 173), assim como outras armas também podem ser integradas ao blindado. Pode utilizar, por exemplo, como uma metralhadora coaxial, uma MG3 e/ou uma MAG calibre 7.62mm, ou então a metralhadora MG4.
Figura 2: Boxer com Metralhadora no Afeganistão
           
            O blindado possui, entre outras, as seguintes características:
-Velocidade máxima: 103 km / h
-Autonomia: 1.050 Km
-Máx. gradiente: 60%, Máx.
-Declive: 30%
-Passagem de trincheira: 2,0 m
-Comprimento: 7,93 m
-Largura: 2,99 m
Fontes:
registrado em:
Fim do conteúdo da página