Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate

Portuguese English Spanish

Opções de acessibilidade

Início do conteúdo da página

A Forja 71

Acessos: 520

A AGÊNCIA EUROPEIA DE DEFESA LANÇA O PROJETO OMBT-Leo2
1º Sgt Aguiar - CI Bld

             A Agência Europeia de Defesa (EDA) lançou um projeto para aumentar as capacidades das Viaturas Blindadas de Combate Carro de Combate (VBCCC) em serviço no continente europeu, este projeto recebeu o nome de "OMBT-Leo2". No âmbito do projeto, a EDA espera transferir as plataformas disponíveis de Leopard 2 A4 que estejam excedentes em certos países para outros Estados-Membros.
            A iniciativa, conjunta e compartilhada, em um primeiro momento concentrar-se-á na locação ou venda do Leopard 2 A4 visando sua redistribuição. Posteriormente, esses carros de combate podem receber um pacote de atualização, transformando-os na versão 2 A7.

Figura 1: VBCCC Leopard 2 A4 
            A atualização das VBCCC para versões mais modernas deverá ter um impacto positivo no setor de defesa europeu e também contribuirá para a manutenção da excelência da Base Tecnológica e Industrial Europeia (EDTIB).
            O estudo de viabilidade produzido pela EDA fornecerá informações sobre o conteúdo e os custos do pacote de Suporte Logístico Integrado que poderá ser fornecido pelos parceiros industriais.
            O pacote abrange a manutenção periódica e agendada, além dos valores estimados dos custos do ciclo de vida dos blindados atualizados, de acordo com a EDA.

Figura 2: VBCCC Leopard 2 A7 

Fonte: http://www.army-technology.com/news/newseda-launches-new-main-battle-tank-capabilities-optimisation-initiative-5936067 , http://www.kmweg.com/home/tracked-vehicles/main-battle-tanks/leopard-2-a5/product-specification.html

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO DA VBCCC ABRAMS
ST José Lino- CI Bld

            A Viatura Blindada de Combate Carro de Combate (VBCCC) Abrams é o principal blindado utilizado pelo Exército e pelo Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos da América (EUA). Produzido pela General Dynamics, entrou em serviço em 1979. Hoje é utilizado pelos seguintes países: Egito, Kuwait, Arábia Saudita, Austrália e Iraque. Desde que entrou em serviço foram produzidas três versões principais: o M1, M1A1 e o M1A2. O Abrams foi largamente testado em combate, sendo utilizado nas Guerras do Golfo, Afeganistão e Iraque.
            O CC M1 Abrams possui um canhão 105 mm, já o M1A1 e o M1A2 estão equipados com um canhão de 120 mm como armamento principal.
            O carregamento em todas as versões é manual e o seu alcance efetivo acima de 4 km.
            O armamento secundário consiste em uma metralhadora coaxial de 7,62 mm, uma MG de 7,62 mm instalada sobre a escotilha do atirador e uma MG de 12,7 mm na escotilha do comandante da VBCCC.

Figura 1: VBCC M1A2 ABRAMS 
            O M1A2 Abrams possui um motor com turbina a gás multicombustível, que desenvolve 1.500 cavalos de potência. Pode funcionar com gasolina, diesel ou querosene de aviação. Sua principal desvantagem é o alto consumo de combustível. O motor pode ser substituído em 30 minutos.
            Em 1999, em decorrência de um programa de atualização, foi implementado um Pacote de Melhoramentos do Sistema denominado M1A2 System Enhancement Package-SEP. Desta forma, o Abrams foi atualizado para a versão M1A2 SEP. Hoje existem as versões M1A2 SEP, SEPv2 e SEPv3.
            A VBCCC M1A2 SEP Abrams possui alta tecnologia e uma blindagem aprimorada. Esta blindagem mantém os componentes da versão M1A2 com a adição de urânio empobrecido e podendo ainda receber um revestimento de grafite, tornando este carro um dos melhores do mundo no quesito proteção. Além disso, possui a capacidade de ser equipado com blindagem reativa explosiva.
            O blindado está equipado com o mesmo armamento da versão M1A2 porém no SEPv2 foi adicionada uma estação de armas operada remotamente, com uma metralhadora de 12,7 mm.
            A versão SEPv3 é a mais moderna da VBCCC Abrams e possui uma maior proteção contra dispositivo explosivo improvisado (IED). Está equipado com um GCB (gerenciador do campo de batalha) digital baseado em tempo real. Pode ser transportado por aeronave de transporte militar C-5 Galaxy ou C-17 Globemaster III.

Figura 2: VBCCC M1A2 SEPv2

            A empresa General Dynamics Land Systems (GDLS) e o Exército dos EUA estão trabalhando em uma nova atualização para os Abrams. O projeto visa desenvolver e integrar várias mudanças de engenharia no Abrams M1A2 SEPv3, modernizando ainda mais a VBCCC. A próxima versão será o SEPv4, com foco na letalidade, melhorando o sistema de controle de tiro primário do comandante e do atirador, além da capacidade para efetuar disparos com munições 120mm multipropósito, que reúnem, em uma única munição, uma enorme gama de capacidades.

Figura 3: VBCCC M1A2 SEPv3

            Além dessas versões, o Abrams possui a capacidade de receber um KIT para área humanizada. Este foi desenvolvido para aumentar a sua capacidade de proteção em ambiente urbano, melhorando a proteção, o poder de fogo e a consciência situacional da guarnição.

Figura 4:Versão com o Kit para combate urbano

Fonte: http://www.military-today.com/tanks/m1a2_sep.htm, http://www.janes.com/article/73626/m1-abrams-tanks-progress-towards-new-enhancement-package, http://www.planobrazil.com/mbt-brasil-general-dynamics-m1a12-abrams/

TORRE UT-30 – NOVO VISUAL E TOTALMENTE REMODELADA PELA ELBIT SYSTEMS
1º Sgt Amaral - CI Bld

            A empresa israelense Elbit Systems, remodelou por completo a sua torre remotamente controlada UT-30, versão esta até então conhecida e adquirida pelo Exército Brasileiro para dotar algumas viaturas da Família Guarani.
            Tais modificações podem ser fruto de novas demandas dos mercados interno e externo ou de novos programas em curso, que podem ter levado a cabo tão grande transformação e que chama a atenção, principalmente, pelas suas novas dimensões e silhueta.

Figura: Torre UT30MK2
            O novo modelo recebeu o nome de UT30MK2. Em relação a versão utilizada pelo Guarani, a nova torre apresenta como principais modificações a silhueta mais baixa e a possibilidade de efetuar os procedimentos de remuniciamento da arma internamente, sem a necessidade de expor a guarnição.
            Além disso, a proteção balística pode ser aumentada para STANAG 4569 nível 2, 3, 4 ou 6. O nível 2 oferece proteção contra ameaça de munição perfurante calibre 7,62mm a partir de 30m. O nível 3 proporciona proteção contra munição 12.7mm a partir de 100m e o nível 4 contra munição 14.5mm a partir de 200m. Já o nível 6 oferece proteção contra munição de canhão 30mm APFSDS (armor piercing fin stabilized discarding sabot) e antipessoal a partir de 500m.

Fonte: http://elbitsystems.com/pdf/ut30mk2-mt30/

registrado em:
Fim do conteúdo da página